quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Mensagem do Profº Enio Rodrigues Rosa

Hoje, dia 25 de setembro de 2012, realmente é uma data muito especial para mim. Há três anos atrás, eu entrei no IPC e assumi a organização na condição de Interventor judicial.

Isso foi por volta das quatorze horas. Eu estava acompanhado de algumas pessoas que foram juntas dar o seu apoio na tomada de posse. Lembro-me como se fosse hoje, quando numa reunião com funcionários e professores do IPC, alguém dizendo: "você não vai aguentar mais de três meses nesta tarefa".

Ainda bem que o prognóstico daquela pessoa falhou. Três anos já se passaram e hoje eu posso afirmar com segurança que ao longo deste período foram muitas conquistas e avanços significativos na busca da recuperação global do IPC.

Recentemente, lancei um "Balanço dos três anos da intervenção judicial", onde destaco as principais mudanças, conquistas e os principais desafios que ainda precisam ser definitivamente superados.

Neste documento de quase trinta páginas, assinalo deforma transparente e com convicção a situação da dívida com a Copel e a Sanepar. Ali deixo claro que sem uma negociação política com a participação do Governo do Estado, do Governo Municipal, das duas companhias credoras e do IPC, esta situação só tende a se agravar ainda mais. Afinal, trata-se de mais de um milhão e meio de reais que vem se acumulando desde 2001.

No dia de ontem esteve no IPC o atual Deputado Federal e candidato a vice na chapa de Luciano Ducci, candidato a prefeito pela Prefeitura de Curitiba, apoiado pelo Governador Beto Richa. Na ocasião, ele assumiu o compromisso de buscar junto as duas companhias uma maneira de resolver, politicamente, a situação desta dívida. O pedido para que Bueno seja o mediador desta negociação foi feito pelo Secretário da Secretaria Especial dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Prefeitura de Curitiba, Iraja de Brito.

Estou trazendo nesta data a questão da dívida com a Copel e a Sanepar, porque foi até o momento a única coisa que não consegui dar praticamente nenhum passo. Por isso, sem dúvida, hoje, este é o principal desafio que precisa ser definitivamente atacado e superado.

Mas, eu não poderia marcar esta data sem deixar de reconhecer e realmente agradecer todas as pessoas e instituições que estiveram ao meu lado e apoiaram o processo de recuperação do IPC. Agradeço inclusive as criticas dos meus adversários, porque elas também foram e continuam sendo importantes no processo de construção do Novo IPC.

Sem o apoio e as criticas dessas valorosas pessoas, talvez eu realmente não tivesse aguentado os três meses iniciais. Por isso, nesta data eu não comemoro os três anos de intervenção, mas os três anos iniciais de uma nova fase na vida do IPC. Uma fase renovada, muito mais vigorosa, voltada para o futuro da humanidade.

Por isso, mais uma vez o meu muito obrigado a todos que estão juntos nesta empreitada. Ao final disso tudo, só haverá um vitorioso: o novo Instituto Paranaense de Cegos.

Professor Enio Rodrigues da Rosa.

Diretor administrativo do IPC.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

IPC terá moderno consultório oftalmológico

Logo o IPC terá todos os equipamentos necessários para estruturar o seu consultório oftalmológico. O dinheiro para isso já está garantido pelo Governo Federal, através de uma emenda destinada pelo Deputado Federal Dr. Rosinha, do PT.

Como o IPC não poderia receber o recurso diretamente, por conta de um Decreto da Presidenta Dilma, do ano passsado, proibindo o repasse de dinheiro às ONGS, o dinheiro foi destinado a Secreraria Municipal de Saúde de Curitiba. Na semana passada, uma equipe do IPC e da Secrearia de Saúde, dentro do prazo previsto, lançaram no Sistema do Ministério da Saúde, a relação dos equipamentos que deverão ser comprados com o valor de R$ 100.000 (Cem mil reais).

Esta iniciativa faz parte do esforço coletivo de dotar o IPC das condições materiais necessárias para transformar-se num "Ponto de atenção a saúde" das pessoas com deficiência, conforme define a Portaria N. 793 de abril de 2012, do Ministério da Saúde.

Depois de montado o consultório, precisamos iniciar outra luta para conseguirmos um médico oftalmo credenciado pelo Sistema Único de Saúde - SUS. Em conjunto com a Secretaria Municipal de Saúde, precisamos com urgência encontrarmos uma maneira de encurtarmos consideravelmente o tempo de espera para se conseguir uma consulta com oftalmologista.

Esta é uma das principais reivindicações que os familiares das pessoas com deficiência visual apresentam. Diante disso, de acordo com o Diretor do IPC, o Professor Enio Rodrigues, para fortalecer esta luta, vamos nos reunirmos com as outras entidades de Curitiba da área visual e vamos buscar somarmos esforços na concretização deste objetivo.

Antecipadamente, deixamos aqui os nossos agradecimentos ao Deputado Dr.Rosinha e a Secretaria de Saúde de Curitiba. Até o momento, vencemos apenas duas etapas do processo. Ao final, esperamos que realmente tudo seja concluído com sucesso.