sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

RISCO DE PARALISAÇÃO

RISCO DE PARALISAÇÃO 

A Escola Professor Osny Macedo Saldanha, na Modalidade de Educação Especial, do Instituto Paranaense de Cegos - IPC, concluiu o ano letivo de 2014, com 22 professores no seu quadro, sendo 12 QPM e 10 PSS, cedidos pela SEED através do convênio mantido já há muitos anos. 

Se a previsão da não contratação dos professores PSS for concretizada, de acordo com o que estamos observando, a Escola corre o risco de iniciar o ano letivo de 2015, com apenas 12 professores QPM. 

Com este quadro, seria humanamente impossível atender os mais de 150 alunos matriculados, na escolarização e nos Atendimentos Educacionais Especializados - AEE.

 Além disso, o IPC, através do repasse do convênio com a SEED, pelo regime CLT, contrata 07 funcionários. Acontece que a SEED ainda não fez o repasse equivalente a R$ 22.600,00 reais, correspondente aos salários de dezembro, o 13 salário e o terço de férias. Os funcionários só receberam porque o IPC conseguiu fazer os pagamentos usando dinheiro dos seus recursos próprios. 

Por outro lado, se a SEED não fizer a transferência correspondente aos valores desses 07 funcionários, referentes ao mês de janeiro, o IPC não terá mais recursos e os trabalhadores ficarão sem o pagamento. 

Se esta situação não for resolvida nos próximos dias, a Escola Osny corre o sério risco de não iniciar o ano letivo por falta de pagamento e de professores. 

É muito triste -- para não dizer lamentável -- constatar a contradição entre o discurso e a prática dos governantes. A educação é sempre prioridade, claro, depois dos seus interesses particulares, inclusive 
com os seus próprios vencimentos. 

A propósito, será que os governantes também estão com os seus salários atrasados, assim como os professores? Quem sabe um dia a educação seja de fato e de direito uma prioridade neste país e neste Estado.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Instituto Paranaense de Ensino lança cursos de Pós Graduação


Pós Graduação IPE

Início Previsto: 07/02/2015

Cursos

Libras: Educação Especial Bilíngue para surdos - libras/língua portuguesa.
Disciplinas:
Políticas Públicas na educação de surdos
História Cultural dos Surdos
Educação bilíngue para surdos
Corpo e movimento na comunicação
 Linguística da língua de sinais
Língua Brasileira de Sinais - Libras I
Língua Brasileira de Sinais - Libras II
Língua Brasileira de Sinais - Libras III
Língua Brasileira de Sinais - Libras IV
Currículo e letramento na educação de surdos
Práticas de tradução e Interpretação em Libras
Metodologia de Pesquisa Científica
Trabalho de Conclusão de Curso

Investimento:
16 parcelas de R$250,00
16 de 230,00 (*pagamento até o vencimento)
Duração: 14 meses

Surdo Cegueira: Educação especial com atendimento especializado nas áreas da 
baixa visão e surdo cegueira

Disciplinas:
Fundamentos e Políticas Públicas da Educação Especial
Surdocegueira: aspectos clínicos e atendimento especializado
Abordagens teóricas na educação de surdocegos
O AEE para alunos surdocegos
Educação Infantil para alunos surdocegos
O sistema Braille 
Metodologia do ensino do soroban
Práticas pedagógicas com alunos surdocegos
Recursos pedagógicos e de aprendizagens
Metodologia de Pesquisa Científica
Introdução à Língua Brasileira de Sinais (Libras)
Comuniação e linguagem na educação de pessoas surdocegas
Libras tátil
Orientação e Mobilidade
A formação profissional na área de surdocegueira
Tecnologias assistivas e materiais adaptados (audiodescrição)

Duração: 14 meses
Local da Aula: FUNPAR
Aulas aos sábados
02 a 03 encontros por mês

Investimento:
16 parcelas de R$250,00
16 de 230,00 (*pagamento até o vencimento)
Duração: 14 meses



quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

SDH inova e abre consulta pública para receber contribuições da população para o planejamento da instituição

SDH inova e abre consulta pública para receber contribuições da população para o planejamento da instituição

Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR) inova ao propor o seu planejamento para os próximos quatro anos de forma participativa.  Á partir desta quarta-feira (14), a sociedade civil poderá contribuir por meio de consulta pública disponibilizada no site da SDH com sugestões sobre como as políticas públicas em Direitos Humanos podem integrar o novo lema do Governo Federal: Brasil, Pátria Educadora. A consulta ficará disponível até 23 de janeiro.
Segundo a ministra Ideli Salvatti ter uma pátria educadora exige a contribuição de toda a sociedade, não apenas da rede formal de educação.
“Queremos ouvir o que os direitos humanos tem a contribuir com uma pátria educadora, para que tenhamos uma pátria de respeito absoluto aos Direitos Humanos”, disse a ministra.
As contribuições serão sistematizadas pela equipe técnica da SDH, que norteará a elaboração do planejamento da instituição, que ocorrerá no mês de fevereiro.

Acesse a Consulta Pública:


Jorge Amaro de Souza Borges
Coordenador Geral
Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência - CONADE
SNPD/SDH/PR

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Governador Beto Richa sancionou lei que estabelece o Estatuto da Pessoa com Deficiência do Estado do Paraná



O governador Beto Richa sancionou a lei 18.419/2015, que estabelece o  Estatuto da Pessoa com Deficiência do Estado do Paraná. O documento, discutido e aprovado em audiências públicas em todas as regiões do Paraná, foi criado para ampliar a inclusão social e garantir cidadania plena às pessoas com deficiência.



O estatuto tem 277 artigos e vai viabilizar uma série de direitos descritos na Convenção Internacional da Pessoa com Deficiência, adotada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2006. O texto do estatuto foi elaborado com a participação de instituições, pessoas com deficiência e familiares. “Com ele, o Paraná dá mais um passo para ampliar a qualidade de vida, a promoção da saúde, a inclusão social e o fortalecimento dos serviços destinados a estas pessoas”, afirma o governador Beto Richa.



O estatuto aborda diretrizes em áreas como saúde, educação, profissionalização, trabalho, assistência social, acessibilidade, que propiciam o bem-estar social e econômico das pessoas com deficiência.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontam que 20% da população paranaense tem algum tipo de deficiência.



O documento condensa leis federais sobre os direitos da pessoa com deficiência e também alguns itens que não estavam contemplados. Um exemplo é a obrigatoriedade, para shopping centers e restaurantes, de destinar 5% dos lugares acessíveis para refeição nas praças de alimentação para uso preferencial das pessoas com deficiência, em rota acessível.



No artigo 155, o estatuto diz que shopping  e estabelecimentos similares deverão, obrigatoriamente, disponibilizar cadeiras de rodas para pessoas com deficiência física, devendo haver ao menos cinco
unidades disponíveis, em conformidade com as normas de acessibilidade em  vigor.



“Com o documento, temos um maior poder de ação para fazer cumprir as leis e normas técnicas existentes”, diz o assessor para Assuntos da Pessoa com Deficiência da Secretaria de Estado do Trabalho e Desenvolvimento Social, Mauro Nardini.



No capítulo relativo ao Direito ao Transporte, o estatuto reforça que  as empresas que exploram o transporte coletivo intermunicipal no Paraná  são obrigadas a adaptar os veículos de suas frotas.



No capítulo sobre Cultura, Desporto, Turismo, Lazer e Comunicação Social, o texto frisa que eventos esportivos estaduais terão em seu calendário datas reservadas para a realização de eventos para as pessoas  com deficiência.



Igualdade



A garantia de direitos iguais a todos os cidadãos é uma prioridade do  Governo do Paraná. Uma das medidas determinadas pelo governador Beto Richa foi a criação, em agosto de 2013, do programa Todos Iguais pela Educação.



O programa assegura às escolas básicas de educação especial, mantidas  pelas Apaes e outras instituições, os mesmos direitos e recursos destinados às demais escolas da rede estadual.



A medida beneficia mais de 42 mil alunos com deficiência, de diversas  faixas etárias. Os recursos estaduais servem para investimentos em pessoal, equipamentos, reformas, merenda escolar e ônibus para o transporte.